Hello world!

Welcome to WordPress.com. This is your first post. Edit or delete it and start blogging!

Advertisements

January 21, 2006 at 9:26 pm 2 comments

[MetaReciclagem] O que faltou na reunião – 3 – papo distros e infralógica

[MetaReciclagem] O que faltou na reunião – 3 – papo distros e infralógica

July 13, 2004 at 2:58 am Leave a comment

[MetaReciclagem] O que faltou na reunião – 2 – Sarai/Waag Fellowship

[MetaReciclagem] O que faltou na reunião – 2 – Sarai/Waag Fellowship

July 13, 2004 at 2:57 am Leave a comment

[MetaReciclagem] O que faltou na reunião – 1 – MinC

[MetaReciclagem] O que faltou na reunião – 1 – MinC

July 13, 2004 at 2:56 am Leave a comment

Conversê metarecicleiro pra parceria

I
As I commented in the fellowship proposal, our main
defficiency is documentation. I’m focusing the work
plan on providing an infrastructure and a methodology
in order to enable and improve both technical and
conceptual conversations about MetaReciclagem.
From that conversations, we believe will emerge
our vision and methodology, network architecture
and space design, based on things that are already
running.

We had a general MetaReciclagem meeting two weeks ago,
to inform everyone about the status of the projects. That day,
we started a conversation about MetaReciclagem methodology,
that is currently running on our mailing list. Very interesting
points are emerging. I’ll try to keep you aware whenever we
get to a consolidated point.

II
About the current situation of MetaReciclagem:

* Currently there are thirteen people directly involved with
MetaReciclagem (it means, dedicating some part of their time
to the projects and earning at least a minimal financial
compensation from that), six of them almost fully dedicated to
the project. We’ve got also around another twenty eventual
collaborators or volunteers.

* We’ve got an experimental lab in Santo Andr�, a city nearby
S�o Paulo. In Santo Andr�, we are working with seven cooperative
associations: they attended an educational process and each
association got an used computer by the end of it. As cooperative
associations in Brazil are not a natural target for business IT
industry, they lacked management software adapted to their
needs. We are now in the final process of creating a GPL PHP
+ MySQL system for them. It’s going to be released early
august, if everything goes ok. We’re also beginning a casemodding
course, an online “radio” streaming, and we’re helping in the
experimental technology part of a Public Science Museum / Open
School currently being developed, which will hold a computer
recycling lab, a multimedia lab using FOSS, and a series of scientific
experiments dealing among other things with computers and technology.
For the Museum, we have already set up an interactive videowall totally
built with old computers, and a thin client network for the library of
Parque Escola, where we are researching.

Pictures of Santo Andr�:
http://www.metareciclagem.com.br/imagens/santoandre/

* The autolabs /cajus project is done. We learned a lot from it, surprisingly
most about dealing with media educators that don’t want to learn to use
FOSS 😉 From the 300 youngsters that were at the beginning of the project,
around 12 are still with us. We are waiting for a position of the coordinator
of the project, about helping the kids creating a self-managed enterprise
working with IT and free software.

* Me, Dalton and Willians went to Porto Alegre to attend FISLi. We had the
chance to explain MetaReciclagem for the coordinator of Telecenters in
Porto Alegre, who pointed he wanted to replicate the project there.
Instead of selling our experience to them, we decided to invite his tech
guys to spend some weeks with us in S�o Paulo. Don’t know yet if he
understood, but we’re waiting. I joined tactical tech (.org) in a “mapping
session” for projects using FOSS to help nonprofits in Latin America.
Me and Dalton also spoke about nonprofits and free software at DebConf.

* There’s a project from the Planning Ministry, to get all used computers
from federal government and deliver them to social projects in order to
create telecenters. We’ve hear rumors of around 240,000 computers
a year. We’ve also heard rumors they would call MetaReciclagem to
help defining a methodology for that. Unfortunately, nobody called me
or anyone from MetaReciclagem about it. My guess is that it’s pure
political vaporware…

* We’ve met a guy called Etienne Delacroix. He’s from Belgium, has
some sort of involvement with MIT and is responsible for a course
called “Taller de Arte y Programacion”, someting like Art and Coding
Factory, in an university in Uruguay. Soon, he and Dalton, one of
MetaReciclagem tech articulators, were talking about possibilities
of deconstructing that thing called “the computer” to construct
experimental installations. We did a workshop las week, on FCM
(World Cultural Forum), here in S�o Paulo. Pictures here:

http://www.metareciclagem.com.br/imagens/sesc/

Etienne gave us a lot of insights about space design,
preparing technology for appropriation and treating
technology as craftsmanship. He already transformed
Dalton’s house in a permanent lab. I’m almost there also.

* Radiolivre.org is a “free radio rhyzome”. Some of the
guys of Radio *******, one of the most well-succeded
free radios in Brazil, got a server inside *****,
and set up a streaming server, to replicate the
transmissions of some free radios all around Brazil.
Even though, some of the radios do have an internet
connection, but not a computer to stream the signal.
We’re gonna provide those radios recycled computers.

* Pontos de Cultura is the new name of the BACs project,
from Claudio Prado, the articulator at Ministry of Culture,
which I think I have mentioned before. There will be an
experimental center downtown S�o Paulo, in a former
movie theater called Olido (pictures here:
http://articuladores.arca.ime.usp.br/?BecoLindo/Fotos )
and then 100 PdCs (“Culture Points”) throughout the
country. The goal is to provide an emerging technical
infrastructure to projects already working with cultural
production within a social context. They’ll get a PdC kit
(network server, multimedia workstation, mini-DV
camera, sound equipment) and if we can convince people
at the ministry about it, we’ll provide them a distributed
publishing and conversation environment, with integrated
IM, chat and P2P networking (BTW, how’s OpusCommons?
Do you think it fits?).

Yet to write:
* Liganois
* MetaOng
* MetaReciclagem methodology discussion

Next week.

III

> What are the preliminary shared values between the members of the group?
exactly what we’re trying to identify with the discussions
I told you about. Until a given point, it seemed like it was
something directly related to things we’ve been doing
around S�o Paulo. In the last few months, however,
people from other initiatives are getting more and more
interested in replicating metareciclagem. I guess it’s
changing, from a group of people doing things, to
a methodology of getting old technological assets in
order to create what we’ve been calling “social technology”
in order to transform communities, based in 4 points:
– free software
– lowtech
– free knowledge
– self-replication

> What are the points of divergence and differing points of emphasis?
mostly, engagement. some of our collaborators only want to post
comments on a mailing list, others want to dedicate their lives
full-time to the development of social technology.

July 13, 2004 at 2:38 am Leave a comment

Essência da fellowship

Difícil, nego…

a) Research and document MetaReciclagem’s past and current activities and its intersections with other independent groups;
b) Foster the technical documentation of every little thing we create, and struggle in order to help tech staff publishing that documentation as free knowledge;
c) Articulate with groups and media centers in order to consolidate MetaReciclagem not as a competitor, but a collaborative infrastructure instead;
d) Promote the discussion around a mid-term tech plan and a self-replication methodology;
e) Create an open learning process in order to foster the self-replication of MetaReciclagem;
f) Articulate the creation and development of an online interactive environment: a website, interaction tools, documentation, etc.

July 13, 2004 at 2:29 am Leave a comment

Mais sobre metanomenclaturas

Respondendo a uma resposta do fernando para um amigo dele.

> Como o povo define, um bando de gente em uma lista de discussão…
> Isso pra mim é nebuloso desde que entrei pro grupo, esse que não
> existe… porém fazemos vários trampos juntos, como se fossemos um
> grupo, tomamos algumas decisões em conjunto,

Disse bem. Algumas.

> consultamos o grupo
> para tirar algumas dúvidas, apesar do grupo não existir ele existe,
> está claro isso pra você ?

Existe um grupo de pessoas. Mas metareciclagem não é só esse grupo
de pessoas. E por quê? Basicamente porque não somos uma entidade,
ou empresa, ou simplesmente uma lista de discussão. Porque as pessoas
envolvidas com a metareciclagem não têm, todas, o mesmo grau de
envolvimento, e isso é umas das coisas que, pra mim, mantém a
correria interessante. Tem nego entrando de cabeça e dedicando a
vida, tem nego mandando uma mensagem por mês. Se colocamos
todos no mesmo saco, “o grupo metareciclagem”, e tentamos nos
obrigar a tomar decisões coletivas, vão rolar distorções. Se tentamos
excluir quem não tá na correria diária, perdemos muito da essência
e das novas idéias que circulam entre essa galera. Por isso metareciclagem
é uma metodologia descentralizada. Estou certo que tem espaço pra pensar
tanto na metareciclagem como um nome pra ações quanto no metareciclagem
como um grupelho organizado. Entretanto, isso pode dar problemas fora.
A partir do momento que a metareciclagem passa a interessar à folha
de são paulo e que a martinha fala sobre “a ong metareciclagem” em
uma palestra na semana de inclusão digital, é necessário que a gente
defina pelo menos o que a gente não é. Não somos só uma idéia circulando
em uma lista de discussão e weblogs e wikis, é claro. Mas também não
somos só um grupo de pessoas instalando GNU. Tem mais, conceitualmente,
e tem mais na prática. Estamos propondo, e estamos fazendo, coisas
totalmente novas por aqui. E justamente por isso não podemos nos
apegar à maneira antiga de fazer as coisas: um grupo de pessoas
trabalhando juntas, põe um nome e passa a faturar tudo nesse nome.
Até porque, sem querer ser repetitivo, a metareciclagem não se limita
às pessoas que estão envolvidas na correria do dia a dia. Pensar
grande pra andar bastante…

> Esse conceito do grupo que não é grupo, mas um flash-mob contínuo

esquece flashmob. viagem essa tua idéia fixa.

> é super complicado de entender principalmente quando o interessado
> procura por um grupo de pessoas com um trabalho em comum, meu caso,
> ou instituições ou ONGs que procuram parcerias com o grupo… o que é
> impossível já que o grupo não existe.

Pensa por outro lado. Um monte de gente entrou na lista@metarec não
pra necessariamente trampar com GNU, mas pra pensar e debater novas
formas de transformar a tecnologia para mudar a vida das pessoas.
Se metareciclagem se limitar a santo amaro, agente cidadão, santo
andré, olido, caju4, o que sobra pra essas pessoas? Não falar nada
nunca, porque não estão envolvidos com os trampos?

> Superei essa dificuldade de
> entender o grupo enchergando o grupo como um grupo, mesmo contra a
> vontade do grupo, só tomo o cuidado de não chamar o grupo de
> metareciclagem na frente do grupo, ou o grupo que não existe pode se
> zangar… deu pra entender ?

=P

> Na prática o grupo existe mas seu nome não
> pode ser pronunciado “formalmente”, mas sim apenas para fins didáticos e
> não comerciais…

Na prática o nome metareciclagem é uma bandeira pirata, usamos quando
necessário pra subverter preconceitos mentais de pessoas que ainda pensam
como no século XX – a marca Kolynos é dentes brancos, a marca Omo é
roupas brancas, a marca Medellin é outras coisas brancas. Não podemos
acreditar no poder da marca. Não podemos levar “o metareciclagem”
a sério, porque nada pode ser levado a sério.

Essa correria toda que a gente faz é só o começo de uma pusta época
de inovação. Anota aí: daqui a sete anos a gente vai olhar pra trás e
rir. Ou chorar. Não podemos acreditar que o que já fizemos até agora
é a grande revolução. Essa ainda nem começou.

> Quando falo do grupo para pessoas de fora, chamo de
> “metareciclagem”,

Perfeito. Estratégia pirata.

> quando saio de casa para encontrar o grupo digo a
> minha mãe que fui encontrar o “metareciclagem” pois se disser que fui ao
> encontro do grupo que não existe ela pode achar que estou com febre.

Melhor ainda.

> Não leve muito a sério essa história do grupo que não existe, o grupo
> existe mesmo sem existir, é inevitável.

Sim. Existe e depois inexiste. E existe como conceito com todo mundo
que quer conversar sobre tecnologia social. E existe como identidade
de um grupo de pessoas que está trabalhando em menos de meia dúzia
de projetos.

> > Queria uma dica de onde me enfiar, pq ler e-mail é
> > legal p/ entrar na história mas sem meter a mão na
> > massa não tem graça.
>
> Assim como você não gosto ler email de um grupo que não existe sem ter
> algo concreto pra trabalhar. Existem várias demandas no projeto que
> precisam de uma mão, desde designers para o site, pesquisadores de novas
> tecnologias, desenvolvedores de software para cooperativas,
> desenvolvimento de apostilas, os três conceitos de distros linux…

Opa. Anota isso tudo em wiki.metareciclagem.com.br/DevDemandas .
Mas não esquece que tem gente por aqui que tem outros interesses,
também.

> Apesar do grupo não existir ele produz uma série de coisas

“O grupo” não produz nada. As pessoas, sim. E chamam isso de metareciclagem
porque lhes convém. Qualquer abstração maior que isso é vício no século XX.
Na minha opinião. E não existe maior prova disso do que o fato de que qualquer
um pode discordar de mim e usar o nome de outra forma.

> ligadas a
> democratização da informática, utilização de equipamentos low-tech e
> etc. Essas documentações ficam hospedadas no site :
>
> http://www.metareciclagem.com.br

Deveria ter mais coisa por lá, né pessoal????

> As várias pessoas que compôe o grupo produzem em suas áreas de maior
> interesse, eu por exemplo gosto de escrever tutoriais em txt,
> relacionados a distribuições linux, gosto de experimentar desktops leves
> (como o FVWM), escrevo material didático para alguns cursos etc.
> E é desse jeito que a coisa caminha, analizando as necessidades do
> conceito metareciclagem e desenvolvendo soluções para que outros
> grupos/ONGs/pessoas apliquem essas tecnicas.

E justamente por isso metareciclagem não se limita aos quatro-seis labs
nos quais o dalton, o fernando, o mota, o thiago, o hernani e o felipe
estão envolvidos.

> Existem alguns projetos em
> andamento que usam as tecnologias metareciclagem, onde geralmente é
> possível experimentar e amadurecer essas idéias, tornando assim mais
> simples de serem implementadas por outros grupos mais distantes coisa e
> tal.

Sim. Temos que organizar no wiki (quando voltar…. estourou a banda de
novo!) essas demandas pra quem quiser pôr a mão na massa poder
começar sem pensar demais.

July 13, 2004 at 2:26 am Leave a comment

Older Posts


Categories

  • Blogroll

  • Feeds